O Labirinto da Mente (e do Fauno)

Por @meire_md

Post dedicado a Lavinia,  @conservadasnodeboche

“O abismo é invisível aos olhos, mas não menos real por isso” (O Labirinto do Fauno, de Guillermo del Toro & Cornelia Funke)

 

No post cor-de-rosa com gotas de sangue falei um pouco sobre atividades que gosto de executar sozinha e quando divulguei o post seguinte  (onde resenhei Colapso), a Lavinia me perguntou como organizo minhas leituras.

Com o passar dos anos, fui ficando cada vez mais sistemática. Uma rotina organizada — porém continuamente aperfeiçoada — faz com que eu consiga manter minha mente no modo executivo com um pouco mais de eficiência do que quando era nova.

Eu uso vozes de autocomando desde criança. Chego já já nelas.

Como eu, a Lavinia tem uma mente que devaneia. E uma mente que devaneia não sente o tempo passar.

Podemos perder horas envolvidas em atividades lúdicas sem perceber.

Se rédeas não forem colocadas, o único caminho a trilhar é o da improdutividade.

O mundo não é dos magros. O mundo é dos focados.

As diferenças entre os dois comportamentos antagônicos da nossa mente e as formas com as quais podemos lidar melhor com a sobrecarga de informações dos tempos de hoje são bem estudadas em um livro extenso (quem sobreviver ao primeiro quinto do livro, que é bem enfadonho, vai colher bons frutos),  ‘A Mente Organizada‘, do mesmo autor de um dos meus livros de não ficção favoritos da vida, ‘O Guia Contra Mentiras‘.

Nutrir o modo executivo da mente sempre foi, para mim, uma  espécie de tratamento contra o TDAH .

A pergunta da Lavinia tem relação íntima com o meu “adestramento”. Como ler, para mim, é algo tão necessário quanto escovar os dentes, tento organizar minha rotina com limites bem definidos.

Rotina de Leituras Técnicas

Não procrastino com nada que seja relacionado ao trabalho porque acumular serviço me deixa muito ansiosa. Não gosto que a sensação de improdutividade se aproxime de mim. A desorganização das coisas me descompensa.

Acredito fortemente que me manter atualizada com questões técnicas seja um grande investimento para minha saúde e uma ótima ferramenta para ganhar tempo. Na minha opinião quem não se atualiza acumula desconhecimento e se estressa muito mais.

Há pessoas ligadas ao setor público que se acomodam com a estabilidade ou param no tempo porque acham um absurdo ter que ler material técnico fora do horário de trabalho.

Eu não penso assim. Nunca vi um profissional ligado ao setor privado se desobrigando de  estudar fora do horário de trabalho.

Manter as leituras técnicas sempre em dias facilita a minha vida porque na hora que preciso já estou com o conteúdo tracejado na mente, sei onde encontrá-lo rapidamente e não perco tempo.

Aqui entram as vozes de comando.

Se a leitura é técnica e a intenção é absorver o conteúdo e, portanto, ser capaz de resgatá-lo, leio o texto em voz alta, mesmo que o ‘alta’ seja apenas um murmúrio baixo. Foi assim que consegui ter um desempenho muito bom durante o curso de Medicina.

Minha mente já gosta de devanear, então imaginar que estou lendo para uma outra pessoa foi um truque que veio naturalmente. Às vezes me imagino em um tablado dando aula (podem rir, é uma coisa idiota mesmo) de modo extremamente dedicado para que a outra pessoa não fique com qualquer dúvida.

Sempre releio o que não parece claro e só paro quando compreendi tudo.

Já disse por aqui, não sou inteligente. Sou esforçada.

Acredito que fazer assim, sendo o meu próprio professor, estimulo várias partes do  cérebro ao mesmo tempo e de alguma forma mando a informação para o lugar certo porque raramente tenho dificuldade de lembrar em que documento posso encontrar uma informação que preciso, mesmo que eu tenha “dado aula” sobre ele há alguns meses.

Se você é estudante Universitário e tem uma mente fugidia, observe em quais horários do dia sua mente é mais produtiva, separe um tempo para estudar diariamente e seja seu próprio professor.  Trace metas, seja planejador. Não acredito que ser esforçado e repetir, reler e rever o que quer aprender não traga pelo menos alguns benefícios.

Troque ideias com você mesmo.

Use um quadro branco se for necessário, risque e rabisque. Fale sozinho. Leia em voz alta, estimule-se.

Uma hora o foco vem. E o mundo passa a ser seu.

E a rotina das outras leituras?

Costumo repousar/dormir das 23h às 4:30h ou 5h. Como começo a trabalhar às 7h, sempre tenho mais de uma hora livre antes.

Imagine uma coisa que você gosta muito, faz todos os dias e que consome mais trinta minutos do seu tempo, como olhar o Instagram, malhar ou jogar conversa fora pelo WhatsApp, por exemplo.

Para mim esta coisa é ler. Não tem gente que acorda, pega o celular e vai olhar as redes sociais? Eu pego o Kindle.

Todos os dias começo a leitura assim que acordo, então leio uma a duas horas antes de sair da cama.

Quando estou lendo um livro digital que quero resenhar, faço destaques e notas com mais cuidado.

Se o livro for muito grande, enquanto leio faço um resumo no keep, gravando por voz (uso o GBoard) ou digitando mesmo.

O meu Oasis (antiguinho) já está com a bateria começando a durar menos, então comprei o Novo Kindle Paperwrite com temperatura de luz ajustável. Você pode ler usando o celular ou tablet, mas para leitores pesados, o Kindle é mais confortável.

Passo o dia trabalhando e não consigo aproveitar o horário do almoço para ler, porque meu almoço nunca é tranquilo.

Ai os minutos se transformam em horas, o dia acaba e vem o lusco-fusco, o horário que reservo para ficar sozinha, como vocês já sabem bem.

Neste horário, antes do meu jantar, frequentemente leio livros de papel, faço limpeza na casa ou uma das outras atividades contemplativas que já citei e dou uma espiada nas redes sociais.

Acho que riscar ajuda a focar. Os livros de papel que quero resenhar, com exceção das HQs e edições de colecionador, acabam bastante riscados, cheios de post-its e marcadores autocolantes.

Depois do Jantar…

…desligo-me do mundo para ficar com o Igor.

Quem dorme tarde tem bastante tempo para namorar, ver séries e filmes. Aproveitamos bastante as nossas assinaturas  (Netflix, Amazon Prime e Disney +).

Segundo, terceiro ou quarto round de leitura

Ao deitar  para dormir, pego o Kindle novamente e leio em média 30 a 40 minutos; neste horário evito pegar livros de ficção porque não consigo parar de ler e acabo sem sono.

Quando o sono vem e estou nas fases de sono fragmentado, tomo a Melatonina para evitar acordar antes das 4:30h e o ciclo começa de novo (quando o sono regula suspendo; com a meditação tenho conseguido dormir mais rápido).

Durante as leituras deixo meu pensamento e minha criatividade livres, mesmo que o livro seja de não ficção.

Crio cenários, interajo com seres inexistentes, explico coisas para mim mesma. Eu adoro isso.

Fim de semana

É nos sábados e domingos que produzo conteúdo aqui para o Salada e que consigo ler por mais horas sem interrupção.

Praticamente todo fim de semana adianto o finalizo a leitura dos livros que vinha lendo na semana ou pego um livro que não dá para largar pela metade,  tipo “Good Omens“, de Neil Gaiman e Terry Pratchet — que deu origem à genial série homônima —para ler do começo ao fim.

Essa é minha rotina geral, o que não significa que eu leia desta forma  em 100% dos momentos.

Às vezes acordo e passo no Instagram, por exemplo. Mas a coisa mais rara da vida é passar um dia sem ler parte de algum livro.

A introdução deste post, que na verdade é sobre ‘O Labirinto do Fauno’, ficou bem maior do que eu pensava que ficaria.

Continua comigo:

O Labirinto do Fauno

amazon.com.br

A história do Cinema e da TV está cheia de exemplos de obras literárias que viraram filmes e séries.

Mas o contrário também ocorre.

Alguns filmes são tão especiais que acabam sendo novelizados. Você sabia que os episódios IV, V e VI de Star Wars foram romanceados? O livro foi publicado no Brasil pela DarkSide: ‘Star Wars – a trilogia‘.

Cornelia Funke, escritora e ilustradora alemã  que publicou O Senhor dos Ladrões, Mundo de Tinta e Reckless, foi convidada por Guillermo del Toro para novelizar o filme ‘El Laberinto del Fauno’ e entregou um trabalho sublime.

O livro ‘Labirinto do Fauno’ foi lançado em 2019 e traduzido para o português no mesmo ano.

A Editora Intrínseca produziu uma edição especial em capa dura mantendo as belíssimas ilustrações de Allen Williams.

Quebrando muros

Cornelia, estimulada por Guillermo a ir além de uma mera transcrição do filme, intercalou as passagens com dez contos de fantasia cujos elementos-chave foram pescados do roteiro de Guillermo e explicam, dentre outros pontos, as origens do Livro da Encruzilhada, do Labirinto nas dependências do Moinho, das Esculturas de Pedra e do Homem Pálido.

A história se passa em 1944, ano em que a Espanha vivia sob o domínio ditatorial do Regime Franquista e ainda amargava as terríveis consequências da Guerra Civil, encerrada cinco anos antes.

Ofélia é uma garota de 13 anos que perdeu seu amado pai e muda-se com a mãe para uma casa localizada em um antigo Moinho de propriedade do seu padrasto, Capitão do Exército que pretende eliminar um grupo residual de guerrilheiros que luta contra a Ditadura.

E lá estava: a lua em foice rodeada por três estrelas, tão nítidas que parecia que alguém as tatuara em sua pele com a tinta sépia das páginas do livro. O Fauno dissera a verdade”

Lidando com a gravidez de alto risco de sua mãe e o medo paralisante que sente do padrasto, a menina apega-se à criada da casa e, embora amedrontada, deposita esperança em um desfecho mais favorável para a sua vida. Assim, finda enfrentando os desafios propostos pelo Fauno.

A história foi montada em quatro blocos, cada um deles com um personagem ganhando um maior destaque: o do mundo subterrâneo da pequena princesa Moanna, o dos eventos associados à Bruxa Rócio, os feitos do Capitão Ernesto Vidal e a saga de Ofélia.

O livro é tão complexamente sombrio, delicado, doloroso e acalentador quanto o filme.

Lista de Personagens

Ofélia: 13 anos, aficionada em livros de contos de fadas

Carmen Cardoso: Mãe de Ofélia, 32 anos, viúva, grávida do Capitão  Vidal

Mercedes: Criada da Casa do Moinho

Mariana e Rosa: Cozinheiras

Oficiais Serrano e Garcés: Subordinados do Capitão Vidal

Dr. Ferreiro: Médico

Pedro: Irmão de Mercedes, Guerrilheiro da resistência

Moanna: Princesa do Mundo Subterrâneo

Fauno (Pã): Ser mitológico Conselheiro da Realeza do M undo Subterrâneo

Rócio: Bruxa

Fadas: Assistentes do Fauno

Alba: uma das reencarnações  de um dos personagens

 

 

 

 

.

Aviso: As páginas associadas ao Blog da Monique
contém links afiliados da Amazon e isso não afeta
o preço que você pagará no caso de realizar qualquer
compra por meio deles. O Blog poderá receber
uma pequena comissão pela venda.

2 comentários em “O Labirinto da Mente (e do Fauno)”

  1. Aiii, fique curiosa em como tu faz a meditação.
    Faz meditação guiada?
    Eu já tentei inúmeras vezes mas sempre acabo desistindo por não ter sucesso..

    Curtido por 1 pessoa

Obrigada pela visita ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.