[Bate-papo] Sobre riscar livros e outras coisas

Por @meire_md

Se eu risco meus livros?

A resposta curta é: sim e não.

Sei que livro bom é livro manuseado*, mas não consigo riscar alguns… Parece que estou profanando uma obra de arte.

Se me falta coragem para riscar livros da Dark Side ou da finada Cosac Naify, como eu iria conseguir rabiscar um livro como ‘História da Beleza‘,  por exemplo?

Quando o livro é uma edição de colecionador, tem capa dura ou é confeccionado com papel especial, colo post-it para anotar pontos importantes e uso separadores/marcadores autocolantes para destacar trechos.

Depois que faço a resenha removo os marcadores autocolantes, inclusive consigo reaproveitá-los mais de uma vez.

Nas versões para Kindle uso as ferramentas de destaque e anotações; se resolvo resenhar exporto os destaques/notas para PDF, o que me facilita a vida quando resolvo resenhar o livro.

Já as minhas edições comuns são bastante rabiscadas. Uso lapiseira 0,7 com grafite 2B porque ele é bem suave  e marca-texto Pilot na cor amarelo-limão ou neon, vai saber, porque as outras ficam estranhas demais com o tempo.

Desapeguei dos marca-texto encerados porque eles sujam o livro. Ah, algo que faço muito frequentemente são anotações nas últimas páginas, bem no estilo resumo de escola.

Nem sempre faço resenha de um livro assim que leio, principalmente quando acho que o assunto é nichado demais ou chato para a maior parte das pessoas. Como tenho pouco tempo e muita coisa legal para resenhar, opto por não resenhar livros que eu não tenha gostado.

Dois bons exemplos do que falei acima são a versão dos Contos dos Irmãos Grimm editada pela Rocco, cuja leitura foi decepcionante para mim porque os contos não foram traduzidos para o português a partir do original, e o ‘O Guia Contra Mentiras’ (Daniel Levitin), um dos meus livros favoritos e que só resolvi resenhar depois que mostrei nos stories e percebi que as pessoas mostraram interesse em saber mais sobre pensamento crítico.

(Falando nos contos dos Irmãos Grimm, a edição que quero comprar é essa aqui com tradução da Tatiana Belinky).

Além de gostar muito de História da Medicina (bem que poderia resenhar os livros que tenho, não é?) gosto bastante de psiquiatria, literatura de horror e ficção científica – recém comecei a ler Ted Bundy de Ann Rule, que conta com quase 600 páginas – mas sempre fico na dúvida se resenho ou não, por medo do blog ficar meio monotemático.

Salada que é Salada tem que ser uma Salada.

Beijo.

*Falando em livro manuseado:  quando alguma parte do livro se descola uso Cola PVA Cascorez Extra ou Cola PVA para Madeira. Elas contam com quantidade menor de água, alta resistência, não amarrotam o papel (aplique em pequena quantidade) e ao secar ficam bem invisíveis. Costumo colocar um peso sobre a área colada.

 

2 comentários em “[Bate-papo] Sobre riscar livros e outras coisas”

  1. Nossa amei esse post… como sou meticulosa e extremamente organizada, a forma que você faz muito me interessou. Acho que fica um aspecto limpo… rsrs

    Curtir

Os comentários estão desativados.