[resenha] Caim | José Saramago

Por @meire_md

Resenha publicada originalmente por volta de 2011.

“(…), Ninguém é uma só pessoa, tu caim, és também abel, E tu, Eu sou todas as mulheres, todos os nomes delas são meus, disse lilith, e agora vem, vem depressa, vem dar-me notícias do teu corpo”

 

Sou fã de Saramago e chorei sua morte como se fosse de alguém da minha família. Como contamino com excesso de admiração quem amo, então nada melhor do que começar desintoxicando a brevíssima resenha de ‘Caim‘ com um contraponto de peso.

Em dois tweets o querido Fábio Emerim resumiu exatamente a atitude que muitas pessoas tomam quando se deparam com um obra de Saramago: largam o livro após algumas páginas sofregamente lidas porque a leitura lhes é cansativa.

Li Caim até a metade e larguei fora. Queeee livro mais chato. Desculpe, Saramago, mas não deu.”

O problema é que tu te perde e se torna uma leitura mais cansativa do que prazerosa.”

Em resposta aos tweets do Fábio cheguei à conclusão que para gostar do estilo único de Saramago é preciso ser portador de um fluxo de pensamento um tanto fora dos trilhos.

Saramago escreve em bolus e exercita todas as licenças poéticas que cabem numa prosa, reinventa a pontuação, desconsidera o uso de maiúsculas, gera sentenças longevas e transporta pela pena  ipsis verbis a  tempestade que sua mente inquieta cria. E eu amo muito muito muito tudo isto.

Se usarmos  O Ensaio Sobre a Cegueira como comparação, Caim mostra um ritmo até mais organizado e que em muito se assemelha a ‘O Evangelho Segundo Jesus Cristo‘.

Tenho por certo que Saramago quis nos deixar o Novo Testamento à mesma imagem e semelhança do Velho, portanto penso que quem não conseguiu ler O Evangelho vai deixar Caim antes de chegar em sua metade. Não me custa (mas não me gusta) nada avisar.

Caim é uma história que demonstra ser possível repensar e  quebrar velhos conceitos e que usa como pano de fundo, ainda que não tão por acaso, uma fábula milenar.

Ao assassinar o irmão durante uma disputa pela atenção divina, Caim recebe a famigerada marca na testa e sua saga se desenrola numa narrativa onde, a exemplo do Velho Testamento, o tempo desafia as leis da física.

Uma serpente não só fala como tem uma espetacular capacidade argumentativa,  anjos descem do céu para falar com homens, o Satanás faz uma aposta com Deus e batalhas sangrentas acontecem costumeiramente.

Caim viaja através do tempo e questiona os desígnios divinos enquanto é testemunha ocular de episódios bíblicos deliciosamente temperados com tiradas impagáveis.

“(…) surgiu-me um problema mecânico na asa direita, não sincronizava com a esquerda” (fala do Anjo destinado a evitar o sacrifício de Isaac)

A redenção dele, um criminoso curiosamente apenado com a liberdade, ocorre de mãos dadas com o desenvolvimento de sua sede de justiça e capacidade crítica, o que na minha porca análise é o ponto chave do livro.

Destemido, Caim rebela-se sem rodeios contra a ordem vigente e para salvar a humanidade das escolhas do deus que orquestrou o assassinato do seu irmão,  põe em ação uma estratégia de última hora com o objetivo de desmantelar os planos do Criador.

Beijos,

Meire

 

Aviso: Este post contém links afiliados da Amazon
e isso não afeta o preço que você pagará no caso
de realizar uma compra por meio deles. 
A administração do Blog poderá receber
uma pequena comissão pela venda.

14 comentários em “[resenha] Caim | José Saramago”

  1. Oi Meire! Fiquei tão feliz de receber esse post do Salada no meu e-mail 😍

    Curtir

  2. Minha “biblioteca” está implorando por uma obra do Saramago há muito tempo. Me sinto até mal por não ter feito outro senão assistido ao filme Ensaio Sobre a Cegueira.

    Acho que vou comprar “Caim” hoje mesmo.

    Curtir

  3. Muito bom esse livro. Os episódios condensam várias ideias antirreligiosas de Saramago e muitos argumentos interessantes contra as tolices do Judaísmo/Cristianismo.

    O final é interessante por dar um fim diverso aos mitos bíblicos do Antigo Testamento e, ao mesmo tempo, nos deixar perplexos diante da impossibilidade de criar uma continuidade com O Evangelho segundo Jesus Cristo. De certa forma, Caim é que é o redentor da humanidade nessa história…

    Curtir

    1. E bom saber que mais pessoas gostaram do livro, Thiago. Eu achava que estava praticamente sozinha!
      Abraço 😉

      Curtir


  4. Olá, Meire!

    Gostei da resenha. É a nossa médica mostrando que não tem mesmo aquela visão bitolada apenas em suas áreas de estudo. Muito bom o texto!

    Eu também adoro Saramago e já até havia escrito um texto sobre “Caim”, publicado no Bule Voador. Todavia, meu texto foi metacrítico: uma resenha sobre uma resenha publicada na “Veja”.

    Você se focou numa análise do estilo do escritor, num paralelo entre a obra analisada e outras que a precederam e destacou passagens e detalhes relevantes da trama, sem apresentar nenhum spoiler. Em suma, muito bom!

    Um forte abraço.

    ~ Camilo.

    Curtir

  5. Saramago é um gênio… seu nome já termina com mago pq é mais ou menos isso, um mago da literatura…

    seus livros sempre me surpreendem, um melhor que o outro… e sinceramente, quem não gosta de um livro dele, é porque está acostumado a ler a Ti+ti+ti, ou algo assim.

    Caim é um livro brilhante, genial, eu amo o modo como Saramago escreve, sem pontos e paragrafos, com toda a ação que deveria ter na cena se ela fosse real, sem pausas ou quebras de cenas.

    Caim eu li 3 vezes, de tão bom… e não é porque eu sou ateu, pois emprestei ele para católicos que também gostaram… só é preciso mergulhar na história de cabeça aberta para perceber a magnitude de um mestre.

    Curtir

    1. Rick,
      Eu li o Ensaio sobre a Cegueira 3 vezes e Caim 2 vezes. Fora Carl Sagan, só Saramago conseguiu isso.

      Abraçaooooo!!
      Meire

      Curtir

Os comentários estão desativados.